Cicatriz Hipertrófica e Quelóide | Portal Salão Brasil

Cicatriz Hipertrófica e Quelóide


01/10/2015 | Postado em Colunas

Cicatriz Hipertrófica e Quelóide

As cicatrizes são o resultado de uma lesão, intencional ou acidental da pele.

As cicatrizes aparecem quando é produzida uma lesão da derme. Caso o comprometimento seja só epidérmico a reparação é realizada pela camada basal da epiderme sem deixar seqüelas cicatriciais.

Conhecidos como um problema estético, as cicatrizes hipertróficas e os quelóides cicatrizam-se por uma síntese de colágeno preponderante, sendo que as fibras colágenas não se orientam como as cicatrizes normais, ao longo das linhas de fenda, mas sim em espiral projetando-se sobre a superfície cutânea.

Características da Cicatriz Hipertrófica:
– Reduz espontaneamente dentro de um período de um ano;
– Hipertrofia dentro dos limites da lesão;
– Uma vez extirpadas, não apresentam resíduos;
– Adquirem coloração de pele normal.

Características do Quelóide:
– Não apresentam melhora espontânea;
– Formação fibrosa estende-se além dos limites originais da lesão;
– Podem surgir na pele normal ou de lesões preexistentes (Acne, cicatriz cirúrgica, traumatismos, picadas de inseto);
– São indolores à palpação;
– Adquirem coloração vermelho-escura, rosada ou esbranquiçada;
– É mais freqüente nos indivíduos da raça negra e caucasiana de pele morena.

Existem numerosos tratamentos para quelóides e cicatrizes hipertróficas, dois deles muito utilizados na estética, que são massagem e microcorrentes.

Massagem:
Consiste em manobras de fricção, realizada com pressão suficiente capaz de mobilizar o tecido superficial em relação ao profundo, com o objetivo de liberar as aderências por ação mecânica. E manobra de Watterwald, que são movimentos de pinçamento e rotação de uma prega, melhorando a maleabilidade tecidual com melhora da função e aparência do tecido afetado.

Microcorrente:
O alto componente polar apresentado pela corrente galvânica, proporciona boas repostas quando aplicadas sobre cicatrizes hipertróficas e quelóides, aumentado a circulação sanguínea a e a distensibilidade do tecido; podendo também ser associada a terapia medicamentosa, somando-se os efeitos intrínsecos da corrente com o princípio da droga (iontoforese).

Como em qualquer patologia os tratamentos de quelóides e cicatrizes hipertróficas, se fazem pela associação de recursos disponíveis, sendo eles médicos (tratamento cirúrgico e medicamentoso), e estéticos; obtendo-se assim, com trabalho em equipe, resultados promissores.

Artigo de Raquel Batista:
– Fisioterapeuta – UNESA
– Especialista em Docência do Ensino Superior – UCM
– Especialista Fisioterapia em Dermato Funcional – UGF
– Esteticista – Valmari SP
– Administradora e Coordenadora da Contours Express Academia para Mulheres

Fonte: www.ame-estetica.com.br/

© 2017 Salão Brasil - Todos os direitos reservados.

Desenvolvido por M2R Digital